A importância de Adam Smith na economia moderna

Quando falamos de mercado financeiro e economia, é impossível não citar Adam Smith. Ou Laissez-Faire. Porém, poucos sabem o que ele e esse conceito representaram para a economia moderna e capitalista que vivemos hoje. Por sorte, vamos explicar.

Filho de uma família típica de classe média, Adam Smith nasceu em 1723, na Escócia. E atualmente é considerado o pai da economia moderna. E o mais importante teórico do liberalismo econômico.

No ano de 1776, durante a Revolução Industrial, Smith publicou o livro A Riqueza das Nações. Que até então é o marco da Teoria Econômica. Para ele, o auto-interesse de uma sociedade livre proporcionaria a forma mais rápida de uma nação alcançar o progresso e o crescimento econômico.

Em sua teoria, o maior obstáculo para esse crescimento seria uma intervenção do Estado na economia. Já que, pare ele, iria existir aquilo que é chamado de “mão invisível”, que, então, auto-regularia o mercado.

Foi então que ele denominou o Laissez-Faire, que simboliza o liberalismo econômico. Para Smith, o Estado teria, então, três funções:

  • Estabelecimento e manutenção da justiça
  • Defesa nacional
  • Criação e manutenção de obras e instituições públicas

Leia também: O passado da Rússia afeta a economia

Conceitos básicos da economia

No geral, a economia estuda a maneira pela qual nós – a sociedade – distribuímos os recursos limitados para o “apetite” do ser humano. E, nesta realidade da economia moderna, oferta e demanda atuam constantemente.

No ponto de equilíbrio, o preço de mercado permite que a quantidade oferecida esteja igualmente com a quantidade demandada. Então, fornecedores vendem, consumidores compram. E essa oferta dos vendedores vão se igualar à demanda dos consumidores por um preço estabelecido. 

Estrutura de mercado

Como vivenciamos, o mercado é competitivo. E nele existem forças que atuam movendo oferta, demanda e preços. Neste caso, quanto maior a concorrência no mercado, mais sensível o preço fica, graças as mudanças de oferta e demanda.

Portanto, são formados três tipos de mercado:

  • Monopólio puro: seguindo a essência do termo, é quando há apenas um vendedor de um produto ou serviço específico, sem concorrentes.
  • Oligopólio: há poucos fornecedores, para o qual existem poucos similares. Neste mercado, caso o setor seja competitivo, um cenário monopolizado é vantagem ao consumidor. Mas caso não for competitivo, não há benefícios ao consumidor.
  • Concorrência: quando há diversos similares de um produto ou serviço. A competição, nesse caso, é a principal vantagem aos consumidores, já que passa a ter produtos de qualidade com preços menores.

Leia também: Agricultura: um dos principais motores da economia

FONTE

Post Relacionados

Deixe uma resposta