Entenda o funcionamento do mercado financeiro

Ao tratarmos de assuntos como investimento, empréstimo, gerenciamento de conta, fica quase impossível não citar o famoso mercado financeiro. Mas são poucos aqueles que realmente sabem o que ele é e como funciona. Além, claro, de suas finanças pessoais.

Um país que está em processo de globalização, tem uma economia que vem das transferências de recursos financeiros. Recursos que são administrados por instituições financeiras preparadas para os riscos do mercado. E que possuem órgãos responsáveis pela fiscalização.

Com este cenário, pesquisar sobre sistema financeiro, mercado de capitais e sua ligação com finanças é fundamental para a educação financeira. Ainda mais para quem quer alcançar uma estabilidade futura. Porque assim é possível adquirir visão de longo prazo na aquisição de títulos de investimento, por exemplo.

Leia também: Como manter o foco financeiro?

Sistema financeiro

No geral, é o excedente da economia. Pelo simples motivo de possibilitar a transferência de recursos gerados através de agentes superavitários (consomem menos) ou poupadores.

Além dos superavitários, há os deficitários. Totalmente o inverso, esses necessitam da poupança para complementar necessidades de consumo e investimentos. Para a união desses dois tipos de agentes existem valores agregados a transações financeiras.

Nisso, de forma simples e evidente aparecem às intermediações entre investimentos. E concessões de créditos. Que, no caso, precisam de condições viáveis para obter o valor de juros. Isso torna as condições de trabalho no mercado financeiro mais vantajosas. Portanto, dentro de todo o sistema, existem medidas de segurança que analisam os riscos da concessão de créditos.

Com o sistema do mercado financeiro funcionando, é gerada uma demanda maior por crédito de pequeno, médio e longo prazo. Mesmo com as taxas de captação e empréstimo se tornando vantagem dos bancos ao comparar com o mercado de capitais.

Para obter o controle de intermediações no mercado financeiro, a estrutura apresenta órgãos. Eles, então, possuem a função de regular, normatizar e fiscalizar as ações. Justamente para evitar distúrbios na economia, que solidificam em valores aquisitivos. Além disso, também influenciam de forma direta no crescimento econômico de um país.

O sistema passa a mobilizar os riscos para que não haja incompetência no mercado.

Mercado financeiro e de capitais

Seu desenvolvimento é crucial para o crescimento das empresas. Já que elas financiam os projetos em médio e longo prazo, devido a conexão entre os agentes. Eles, no caso, mobilizam os títulos a serem integrados ao mercado, com a intenção de gerarem recursos privados de terceiro.

Tudo para gerarem recursos privados de terceiros que financiam os investimentos. Isso facilita o acesso ao capital aplicado e a sua mobilização. Contudo, não são só os recursos de terceiros a serem disponibilizados.

No Brasil, ocorre muito o financiamento público. Que, no caso, integra os projetos das empresas na geração de negócios. Esses investimentos constituem o crescimento econômico através da geração de renda e incentivo do aumento da poupança e investimentos.

A medida que o nível de poupança cresce, maior se torna a disponibilidade para investir.

Leia também: Pequenas economias: onde e como investir?

O mercado de capitais contribui para o sistema de valores mobiliários, que proporciona liquidez aos títulos emitidos pelas empresas. Esses títulos, dentro do mercado, dividem-se em renda fixa e variável.

  • Os de renda fixa são de dívida. São emitidos por empresas que desejam crédito por um prazo determinando, que é fornecido a investidores que procuram receber a quantia emprestada.
  • Já os de renda variável são aqueles emitidos que não garantem remuneração fixa aos investidores. A remuneração vem dos dividendos.

Finanças pessoais

Enquanto isso, as finanças estão diretamente ligadas ao sistema financeiro, ao mercado de capitais e aos agentes. Elas são responsáveis pela mobilização da economia do país, garantindo, assim, a sobrevivência do mercado. Porém, influência no diagnóstico financeiro pessoal e nas despesas.

E isso resulta em um endividamento desnecessário. Até porque os consumidores estão inseridos em um mercado que oferece regalias que suprem necessidades e o ego. O marketing também acaba se tornando um motivo para essa realidade.

Leia também: 5 passos para sair das dívidas

Portanto, o planejamento é fundamental para atingir os objetivos. Planejar é decidir o que deve ser feito. Ou seja, criar uma linha de ação. Para isso, é necessário mudanças de comportamento e atitudes ligadas aos seus valores.

As finanças funcionam para conduzir a organização, estabilidade e conhecimento. Analisar sua vida financeira é garantir uma estrutura financeira estável.

Texto baseado no artigo acadêmico de Maria Aparecida Araujo.

FONTE

Post Relacionados

Deixe uma resposta