Economia da Arábia Saudita mostra sinais de recuperação

A economia da Arábia Saudita está começando a emergir da pior desaceleração desde a crise financeira global, apenas devido à recuperação dos preços do petróleo e o aumento inserção monetária do público.

O produto interno bruto cresceu 1,2 por cento nos primeiros três meses de 2018 em comparação com um ano atrás, a primeira expansão em cinco trimestres, de acordo com dados divulgados no domingo. A economia não-petrolífera cresceu 1,6 por cento, de 1,3 por cento no trimestre anterior, e analistas disseram que a recuperação vai ganhar força no final do ano, à medida que o impacto de um pacote de estímulo do governo se infiltra.

“O orçamento foi muito expansionista”, disse Mohamad Al Hajj, estrategista de ações do banco de investimentos EFG-Hermes, à Bloomberg TV na segunda-feira, listando medidas que incluíam transferências de dinheiro e doações para compensar o impacto dos cortes de subsídios. “Você está vendo os resultados de tudo isso se traduzindo em números mais fortes de crescimento”.

Reforçar a economia não petrolífera, o principal motor para a criação de empregos, é crucial para o sucesso do projeto do príncipe herdeiro Mohammed Bin Salman de afastar o reino de sua dependência da renda das exportações – um feito raramente realizado por grandes produtores de commodities.

Mas, depois de mais de dois anos no plano do príncipe, os analistas observaram repetidamente que o crescimento continua dependente dos gastos do governo, já que as empresas lutam com medidas que incluem tributação de valor agregado e impostos sobre os expatriados que levaram milhares deles a deixar o reino.

A maior economia árabe se contraiu 0,7% no ano passado pela primeira vez desde 2009, já que o reino reduziu sua produção de petróleo como parte de um acordo entre os principais produtores mundiais. O PIB não petrolífero cresceu 1,1%.

Monica Malik, economista-chefe do Abu Dhabi Commercial Bank, disse que espera “algum aumento gradual na atividade não petrolífera a partir do segundo trimestre de 2018, com a maior receita de petróleo apoiando gastos mais fortes do governo”.

Os empréstimos bancários para empresas privadas cresceram em abril pela primeira vez em mais de um ano, mostram dados do banco central. As retiradas de ATM, uma medida dos gastos das famílias, também mostraram sinais de recuperação.

“No entanto, a queda na população expatriada e o desemprego geral ainda alto limitarão a recuperação dos gastos privados”, disse Malik.

A perspectiva melhorada também é “contingente aos preços do petróleo”, disse ela. Os preços do petróleo Brent subiram 17 por cento este ano para cerca de 78 dólares o barril na segunda-feira.

Post Relacionados

Deixe uma resposta