Entendas as cinco fases do ciclo contábil

No mercado financeiro, empresários apresentam uma grande preocupação sobre a saúde financeira do investimento do cliente. E por isso, muitos precisam realizar um processo chamado de ciclo contábil. Nada mais é do que o processo para elaborar demonstrações contábeis a partir das transações realizadas.

O termo, então, indica que tais procedimentos devem repetir. Isso para possibilitar a preparação de Demonstrações Contábeis atualizadas.

Este processo conta com cinco fases para ser realizada.

As cinco fases do ciclo contábil

Captação: essa primeira fase conta com o colhimento dos dados de fatores e fatos que afetam o patrimônio de uma empresa. Ela envolve análise de documentos e de eventos macroeconômicos que tenham alguma influência negativa na empresa.

Reconhecimento: depois de realizar a captação das análises, é hora de realizar os questionamentos sobre o que foi adquirido. O primeiro passo dessa fase é questionar se o dado, agora captado, deve ser reconhecido.

Depois de reconhecer, é hora de realizar questões sobre o momento exato para reconhecer a transação. Em que conta. Qual o critério mais adequado, entre outras.

Processo de acumulação: após todo reconhecimento, é o momento de organiza-los. Então, esta fase conta com a estruturação do banco de dados organizado com todos os registros efetuados. Atualmente, são utilizados sistemas informatizados, até para facilitar o acesso.

Sumarização: essa é a hora de fazer um resumo desses dados já organizados e processados. Eles, então, são transformados em informação útil aos usuários. Portanto, o primeiro e importante passo dessa fase do ciclo contábil é identificar as necessidades de informação.

Nisso, são feitas as Demonstrações Contábeis e demais relatórios.

Evidenciação: esta fase consiste da divulgação das informações. Ela pode ser feita através de grande veículos de comunicação, ou enviado por e-mail, por exemplo. Órgãos reguladores, como o Banco Central do Brasil, por exemplo, exigem que as entidades por eles reguladas enviem as Demonstrações Contábeis.

Demonstrações Contábeis

Por lei, os órgãos precisam receber sete tipos de demonstrações. As obrigatórias são:

Balanço Patrimonial (BP): basicamente, a situação patrimonial da empresa. Ou seja, uma “fotografia” dos bens, direitos e obrigações.

Resultado do Exercício (DRE): essa demonstração é a apuração dos lucros ou prejuízos da empresa dentro de um determinado período.

Mutações do Patrimônio Líquido (DMPL): alterações ocorridas no patrimônio líquido. Normalmente, elas são aumentos do capital social, apuração e destinação dos lucros. Nesse caso, a lei exige só a demonstração dos lucros ou prejuízos acumulados.

Fluxo de Caixa (DFC): mutações ocorridas no caixa.

Valor Adicionado (DVA): demonstração da riqueza gerada pela empresa. E como ela distribuiu entre os funcionários, financiadores, sócios e governo.

Origens e Aplicações de Recursos (DOAR): fontes de recursos de longo prazo. Como são obtidas e como foram utilizadas. É preciso também indicar a variação do capital circulante líquido, ou seja, a capital de giro.

Notas Explicativas (NE): práticas contábeis adotadas pela empresa.

Leia também: 8 expressões financeiras usadas no mercado

FONTES

Fonte1

Fonte2

Post Relacionados

Deixe uma resposta