Inflação tem estimativa elevada pelo mercado

Na última segunda-feira (08) foi divulgado pelo Banco Central que o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) deve ficar em 4,40%. Essa é a quarta vez no ano que a estimativa da inflação sobe.

Essa é a projeção mais próxima do centro da meta estabelecida neste ano: 4,5%. Essa meta tem um limite inferior de 3% e superior de 6%.

No entanto, para o ano que vem, a projeção é de uma estabilidade em 4,20%. Com quedas no próximo ano, ficando 4%. E entre 3,97% e 3,95% em 2021. Sobre as metas, para 2019 ficou estabelecido 4,25%, com intervalo entre 2,75% e 5,75%.

Enquanto para 2020, a meta é de 4%. E em 2021, 3,75%.

Meta inflacionária 

Atingir esse número não é algo fácil. O Banco Central usa a taxa básica de juros (Selic) como principal instrumento. Atualmente em 6,5%, a Selic deve manter na mesma porcentagem até o fim do ano, segundo o mercado financeiro.

Para o ano que vem, é estimado um aumento na taxa básica. Com isso, o período terminará em 8%.

Para os anos seguintes, é estimado que haja uma variação. Em 2020 ficaria 8,38%, voltando para 8% em 2021.

Nesse cenário, quando o Comitê de Política Monetária (Copom) aumenta a Selic, a meta é conter a demanda aquecida. Isso causa reflexos nos preços porque os juros mais altos encarecem o crédito. Além disso, também estimulam a poupança.

Quando há a redução da Selic, a tendência é que o crédito fique mais barato. E com incentivo à produção e ao consumo, reduzindo o controle da inflação. Tudo indica que o Copom considera as alterações anteriores suficientes para atingir a meta, devido a manutenção da taxa básica.

Leia também: Qual o conceito de análise fundamentalista?

Crescimento da economia 

Mas tem tudo é tão ruim. Instituições financeiras também ajustaram as estimativas do Produto Interno Bruto, o PIB. Ele é a soma de todos os bens e serviços produzidos no país. A estimativa então, mostrou um aumento de 0,1%.

Apesar de pouco, é um primeiro passo, já que, em três anos, estimasse que a porcentagem chegue até 2,5%.

Já na questão do dólar. A estimativa se manteve em R$3,89 para o fim deste ano. Até o fim de 2019, o valor é estimado é R$3,83.

FONTE

Post Relacionados

Deixe uma resposta