Smartphones: saiba como podem ser fundamentais no futuro financeiro

Hoje, é impossível não separar mais os aplicativos de smartphones das fintechs (empresas que aliam serviços financeiros ao uso de tecnologia). Afinal, muitos tratam de bancos digitais, plataformas de investimento e startups. Como já mostramos aqui no Dinheiro 360, o investimento em fintechs aumentou muito. E, num país como o Brasil, com 60 milhões de cidadãos sem conta em bancos, é um crescimento ótimo.

Até porque o sistema financeiro tradicional se baseia numa infraestrutura cara. E muitas vezes ineficiente e inacessível a brasileiros de baixa renda. Modelos tradicionais se baseiam em dados estáticos e de baixa qualidade, por isso, instituições financeiras tendem adotar uma postura conservadora para conceder empréstimos e até para elevar o custo de crédito.

Atualmente, as cinco maiores instituições bancárias controlam mais de 90% das operações do Sistema Financeiro Nacional (SFN). Essa concentração faz com o spread bancário (diferença entre o que o banco paga aos investidores e o que cobram dos tomadores de empréstimos) seja um dos mais elevados.

Leia também: 2019 será o ano de sucesso do Brasil nas fintechs?

Fintechs e os smartphones

Porém, a mudança de paradigma nesse setor financeiro está justamente na nossa mão, com os smartphones. Até porque, hoje, é possível qualquer usuário pagar contas, sacar dinheiro, fazer transferência, sem ao menos precisar de um banco.

Tecnologias como Blockchain – associadas aos benefícios que a inteligência artificial pode trazer – oferecem um serviço confiável e de alto nível. Além de conseguir reduzir os custos de operação. Isso porque essas tecnologias realizam uma análise do perfil do usuário, a partir de informações obtidas diretamente dos smartphones, o que possibilita uma oferta de crédito a juros mais baixos.

Devido ao Brasil possuir milhões de empreendedores na economia informal e com 85% da população com smartphones, é uma solução com potencial. E não só para população de baixa renda. No fim, todo o ecossistema financeiro consegue um saldo positivo. Ou seja, injetando recursos na economia real, fazendo dinheiro girar e dando possibilidade de acesso a plataformas de investimentos, sem necessariamente ter conhecimento técnico.

Apesar do já grande avanço das fintechs, tudo está previsto para um desempenho essencial na economia brasileiro. Isso porque, a tecnologia batalha para continuar transmitindo confiança e dar todo o apoio necessário para usuários menos experientes. E tudo através da tela do celular.

Leia também: Mastercard aposta no futuro sem dinheiro físico

FONTE

Post Relacionados

Deixe uma resposta